16 de agosto de 2017

Ilusões em Prosa

Vê-a passar no parque, livre, solta, despreocupada, alienada a quem vai na rua, embrenhada nos seus pensamentos ou apenas de cabeça nas nuvens. Dirige-se a ela. Há tanto tempo que não a via... como era mesmo a sua voz? Especial. O resto não importava. Chamou-a com uma voz que nem lhe pareceu a sua. Porque estaria tão emocionado? Também não importava. Ela não reagiu imediatamente, apenas depois dele lhe tocar ao de leve no braço. Virou-se com uma expressão assustada que se transformou num sorriso aberto e brilho nos olhar. Não disseram nada. Ele abraçou-a. Ela aninhou-se. Estiveram assim alguns segundos que pareceram eternos. Afastaram-se e continuaram a mirar-se nos olhos.
- Porquê isto? -  Perguntou ela, sem ter encontrado melhores palavras.
- Porque precisávamos. - Respondeu num murmúrio.
- Precisávamos... - Concordou ela no mesmo tom - foi bom.

10 de agosto de 2017

Dream About

Ir por ir não é feito.
Seguir a onda não traz glória. 
Por mais longe que se chegue, se não formos por nós nada faz sentido. É nulo. Isento de prazer.
O verdadeiro sentimento de vitória é quando se vai por si mesmo. Pela própria conta e risco.
A maior conquista? 
Ah a maior conquista é o simples facto de se pensar pela própria cabeça.
Ser uno.
Lutar segundo a própria vontade.
Entregar corpo e alma.
Crer.
Seguir o coração.


Marisa

7 de agosto de 2017

Livro | Eu Sou a Charlotte Simmons

Livro
Charlotte é uma jovem das montanhas, de Carolina do Norte, que ganha uma bolsa para a universidade Dupont. Ao longo do primeiro semestre como caloira numa das melhores universidades da América, a estudante depara-se com um mundo novo, e cruza-se com pessoas muito diferentes de si, que põem à prova a sua personalidade e particularidade.

Ao longo do livro pode-se acompanhar as mudanças de Charlotte, ao mesmo tempo que se conhece e se entra na vida dos estudantes universitários americanos - as modas, os grupos, as convicções, os excessos.

2 de agosto de 2017

Os jovens não respeitam ninguém

Os jovens são mal educados, não cumprem regras, só querem saber do telemóvel. Os jovens não se preocupam com os outros, só pensam em neles. Bla bla bla. Etc e tal. Os jovens são tudo de mal. Todos os que pertençam à geração Millenials estão 'rotulados' como menos merecedores, menos fazedores, menos preocupados. Ou estavam. As ideias e mentalidades vão mudando, transformam-se. Mas ainda se ouve muito "esta geração não sabe o que é a vida", "estes jovens não respeitam ninguém". Principalmente, por pessoas com mais de 50/60 anos. 

A ideia de que os 'nós', os jovens, somos todos negligentes é um pré-conceito sem sentido. Atrevo-me a dizer uma estupidez autêntica.